10.12.08

Tiago, o goleiro imaginário

Por Tiago Viegas Carneiro

Sou o mais novo de quatro irmãos da minha família. Então, até a 5ª série, eu não tinha muitos amigos para brincar fora os amigos da rua, cujas mães os deixavam em casa para estudar e não fazer muita bagunça. Resultado: eu brincava sozinho na maioria das vezes, em uma casa com um terreno total de 2800m.
Subia em árvores para pegar mangas, goiabas, mexirica, ou somente para me pendurar mesmo, adorava também um bom banho de chuva, pois lá em Brasília, onde nasci, as gotas eram grossas e, quando chovia, eu corria no gramado. Lembro de implorar para minha mãe para poder tomar banho de chuva, ficar embaixo das goteiras do telhado e entrar em casa depois para tomar um delicioso banho quentinho.
Eu, na verdade, gostava de todas as brincadeiras, mas a que eu mais curtia era jogar bola sozinho, pois ali eu fantasiava meu sucesso, minhas acrobacias e pulos.
Eu era o goleiro do time de salão da escola, e então, todo frango que sofria nas partidas de verdade, eu descontava na fantasia. Pra ilustrar bem isso, segue a minha foto agarrando no gol imaginário:



Sobre o autor:
Tiago Viegas Carneiro é poeta e amigo, e ainda guarda essa cara boa que estava fazendo na foto quando era criança. Só que agora, ele joga tênis.

seu blog: http://amarguradamadrugada.blogspot.com

3 comentários:

Laura Delliz disse...

Tomar banho de chuva é o que há de bom!

Que lindo blog! Que linda idéia! Que ela se perpetue e espalhe bons frutos por aí. Parabéns pelos lindíssimos desenhos e textos.

Evoé!

Anônimo disse...

comentário pelo Flickr:

que delícia de blog! não sou de nostalgia, mas essas lembranças me desarmaram, me fizeram brilhar os olhos. muito legal.

Cassandra Mello disse...

aaaah, fiquei com vontade de escrever minhas estripulias!

que delicia de estórias, Ju.